domingo, 8 de junho de 2014

Noites como a de hoje sempre vão existir.
É delas que tenho mais medo, pois não se espera sua chegada.
Quando parei para lembrar as primeiras coisas que fizemos juntas eu quase chorei.
Queria ser forte como um touro contra as minhas lembranças. 
Juro que fazia muito tempo que não pensava mais nada a respeito.
Não há mais rastros, sinais de você aqui...
E penso que o que passou passou...
Mas dentro de mim há uma parte muito grande que não quer se apagar. Não há como fazer isto. Não tem como tirar esse amor de dentro de mim, não tem como deixar de pensar, de lembrar ... a barreira se rompe, tudo perde a cor, tudo perde o sentido porque mesmo que eu estivesse aqui e você aí, mesmo que tivéssemos tomado caminhos diferentes mas, ainda que fôssemos amigas, para mim tudo estaria perfeito. Mas acho que nunca vai estar. Por mais que eu conheça pessoas especiais na faculdade, por mais que esteja formando amizades para o resto da minha vida a sua sempre, sempre vai ser a que eu mais vou desejar. Acho que não adianta nem lutar contra isso porque todos os dias quando fecho os olhos para rezar minha primeira prece é para você.
Eu me lembro de tudo.
Não me esqueço de absolutamente nada.
Mas o que mais me dói é nunca ter tido a oportunidade de ter dito pela última vez olhando nos seus olhos o quanto eu ainda te amo. 
Noites como a de hoje sempre virão.
É delas que tenho mais medo, pois sempre me pegam só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário