quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Você era uma pequena semente plantada no meu coração pelo acaso (ou não)
Tão linda e delicada, não sabia muito bem como cuidar de ti
Era preciso tempo, paciência e convivência
Aos poucos foi germinando e logo veio um botão





















Me surpreendeu
afinal
por convenção, aprendemos que essa semente não dá flores nem frutos...
Esse botão gracioso, surpreendente e incrível abriu-se aos pouquinhos
dentro de mim
aquecido por um sentimento muito leve
e enfim
floresceu
Está florescendo e continuará a florescer...
Nesse jardim todo
existe muita harmonia e sintonia
surreais!
Uma completa adequação com tudo que o rodeia...
Jardim lindo que cresceu assim - com uma semente
única
diferente
forte
parte de um sonho
surpreendente



domingo, 11 de novembro de 2018

Beco do Batman - SP - agosto/2018


Hoje eu vim falar de mim. Falar um pouco sobre como tenho me sentido após percorrer esses longos 5 anos longe de casa, reconstruindo tudo dentro de mim, mudando coisas aqui e ali e assim florescendo uma nova Michelle. Quanta força me cabia lá atrás que hoje já não sei se tenho mais. A bagagem vai voltar mais pesada com certeza. Bagagem física, emocional e de experiências... Me lembro do pavor que sentia ao ouvir que o curso tinha 10 longos semestres. Aqui estamos: no 10° semestre! Pavor e medo. Lidei com a vontade de desistir, de persistir. Foram incontáveis choros, lágrimas que caíram sim, imagine só se tivessem ficado presas dentro de mim? Eu seria uma bomba relógio prestes a explodir. Porque descobri ao longo desses 5 anos que chorar é um remédio e tanto. Expurgo de sentimentos! Chorando e sorrindo cresci, aprendi, tropecei e depois me levantei pra poder fazer as coisas de outra forma, ver se dava certo. Teve muita ajuda dos céus, sinais que eu e Ele lá de cima sabemos - eu nunca estive só. Também teve riso compartilhado de amigos que o curso da vida trouxe... e levou... e trouxe novos. Nesses 5 anos acho que aprendemos bem mais a ser família, a nos unirmos em todos os aspectos - reaprendemos o significado de saudade, de carinho. Nos tornamos mais fortes a cada partida e a cada mês que passava sem estarmos próximos fisicamente. Nem sei quantas vezes nos vimos na web, mas em todas era vivo o amor que emanava de ambos os computadores: amor de filha cheia de gratidão e amor de pais cheios de apoio para oferecer. Nos tornamos um só. E eu me tornei um pouquinho de todos que encontrei, de tudo o que vi e vivi. A última etapa chegou e que seja bem vinda a próxima que virá!

terça-feira, 6 de novembro de 2018

"O que me faz olhar para esse mundo e perder a fé é saber que o sentimento do ser humano pelo outro é tão volátil quanto o céu e suas nuvens em época de guerra, se baseando em suas próprias convicções, regras e paradigmas cheios de ódio e entraves, onde não prevalece o bem estar do outro mas sim o quanto ele precisa se encaixar naquilo que você julga como certo ou errado. O que me faz sentir que as coisas vão de mal a pior é ver que hoje eu posso ser seu maior orgulho e amanhã seu pior pesadelo, simplesmente por dizer que estou amando."
Anne Frank

Tiro tudo o que há de externo e encontro algo precioso. É preciso despir-se de tantas e tantas amarras para se compreender o quanto é belo. Não existe uma explicação. Apenas duas almas. Olhando assim talvez seria mais fácil entender. Não podemos compreender os sentimentos com olhar exterior se o próprio ato de sentir é interno e impalpável. Amar às cegas é diferente de estar "cego de amor". Amor tem a ver com um universo particularmente nú e despretensioso, livre... Amar têm a ver com essência. 

O tempo é dono do curso da nossa vida, companheiro de tudo o que a permeia, nunca estático. Diante disso, estamos sempre nos movimentando nesse espaço que é a vida, a nossa jornada, hora pertencendo a determinados grupos, locais, pensamentos, ideais, hora mudando as escolhas, fazendo um rebuliço dentro de nós mesmos e tomando outras direções. É um processo natural e deveria ser visto como tal, mas porque nós seres humanos somos tão resistentes às mudanças e a reconhecer que o outro pode mudar?! Mudanças não têm a ver com perda de identidade, perda de caráter ou de essência: têm a ver com encontro, muitas vezes consigo mesmo, têm a ver com crescimento, com sair da zona de conforto, descobertas e com adaptar-se ao seu atual momento. Mudar pode ser até uma forma de defesa mental. A verdade é que vamos nos transformando lentamente, sendo guiados pelas nossas crenças de vida, nos aproximando e distanciando de coisas, fechando e abrindo ao novo, indo e voltando, carregando as bagagens de uma trajetória longa, lembrando das origens, aprendendo mas também mantendo coisas boas, personalidade, maneira de sorrir, de brincar, de lidar com as frustrações... têm coisas que mudam e outras que permanecem intactas. Têm momentos onde entramos no nosso próprio casco - resguardo e reflexão interior. Têm momentos que precisamos refletir com o outro sobre nós - abertura e acolhimento. Em ambas situações ganha-se, aprende-se. 

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Eu já sinto a sua falta
Mesmo ainda estando viva aqui dentro de mim
Leveza, alegria e aprendizado sempre deixas
Você me perfuma como flores em um jardim
Sem limites vou semeando lembranças
Plantando esperanças
Ansiedade vai crescendo
Esperando por novos capítulos que vão tecendo essa história
Sigo ardendo
Respirando
Recordando
Suspirando
...
Óh doce tempo, por que passas tão depressa? 
O que será que nos reserva?
Mais música e poesia
ou abraços com alegria?
Quero nosso tudo
pra sempre!

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

"Aquele velho perfume cecita voltou, trouxe velhas lembranças e um grito desesperador. Escrevi, escrevi e escrevo bilhões de textos. Esperança louca. Tempo avassalador. Silêncio gritante e deveras incômodo. O que aconteceu? Onde nos perdemos em tudo isso? Ou onde nos achamos? Qual é o sentimento que grita, pulsa, agita ou ... silêncio...
talvez ele simplesmente não exista mais
E joguei as palavras... da mesma forma como elas ficaram jogadas na minha mente e tomaram forma aqui,
miúdo texto, coitado, 
não retrata 1% do que realmente tu és aqui dentro"