domingo, 22 de abril de 2018

"Um fio perpassa todas as coisas, os mundos estão, todos, nele enfiados como num colar de contas, e os homens, os fatos, a vida, está tudo diante de nós somente por causa desse fio". - Emerson



Storms in Africa - Enya 
Calmaria e paz para uma noite de turbulência
Que o céu pertença a você; Que a alegria te mostre qual caminho percorrer; Que a saudade mostre quais lutas valem a pena travar; Que a inocência de um sorriso percorra o olhar do observador; Que cócegas sejam sinais de aconchego; Que beijar um sorriso seja tão possível quanto ver a alegria através de um olhar; Que o futuro mostre coisas que o presente promete; Que as coisas boas que vivemos ontem se repitam no amanhã que desejamos; Que a soma de todos os medos que temos não seja maior que nossa vontade de persistir; Que nada coloque para baixo nossa vontade de ser feliz da maneira que sonhamos; Que você continue me ensinando coisas que livro nenhum contém; Que não nos falte o desejo de ser cada vez mais "nós". 
Se me resgatei de uma dor incessante foi com muito esforço: 
tranquei os olhos,
apertei o nó na garganta,
engoli a saudade
e disse
até logo...



segunda-feira, 9 de abril de 2018

A música e sua conexão com a minha história: as melhores lembranças do meu pai e dos momentos com ele me invadem quando ouço as músicas que ele ouvia conosco quando éramos crianças. Aquilo ficou registrado e, com isso, criou-se todo um favoritismo dentro de mim por essas canções. Papai nos ensinava a ouvir as músicas com atenção aos detalhes dos instrumentos, nas transformações da  melodia ao longo da canção, ele nos ensinava a valorizar e respeitar os músicos e as composições de qualidade. Na nossa infância, minha e de minha irmã, nós ouvíamos músicas ao final do dia com ele na sala, vinha o cheirinho da cozinha da mamãe fazendo a janta, a música nos envolvia e criava toda uma atmosfera de muito amor e calmaria. Papai nos contava as histórias dos compositores ou então de sua adolescência colecionando discos de vinil. Mamãe contava das quermesses, festas da vila em que morava: aquilo nos embalava e fazia com que estabelecêssemos uma relação muito sentimental com a música. Relação esta que tenho, ou melhor, nós todos lá em casa temos, até hoje! Três músicas e o mesmo artista Jean Michel Jarre: das minhas favoritas e que me lembram um pouco disso tudo:
- Rendez-Vous 4
- Eldorado
- Oxygene 4


domingo, 8 de abril de 2018

"Árvores, sejam amigas
Sejam as companhias nesse fim de dia tão vazio
Sejam ouvintes
Sejam a presença, a materialização de meus sonhos
Me abracem para que eu possa sentir a presença de vida
Pois a ausência de companhia faz eu me sentir morta por dentro
Pesado dizer isso céu? Você aí, tão grandioso, não se sente só?
Quem é mais solitário:

um mendigo numa calçada vendo a multidão passar
um pássaro que perdeu o bando
um rico isolado em sua mansão
um músico que não encontrou ouvinte
ou
um artista sem platéia
?
o que é a solidão?
depende da 
perspectiva
?
"

domingo, 1 de abril de 2018

Que força é essa? 
Que não se dobra ao tempo, às circunstâncias, às caras feias, aos sentimentos ruins, à distância? Como entender essa marca que atravessa o coração, deixa lembranças, causa arrepios, lágrimas, aperto, tristeza, alegrias, sorrisos, emoção... quando isso se apodera de nós? Qual o exato momento em que tudo se transforma dentro da gente? de um sentimento simples, de um simples gostar para algo tão grande assim? Qual o motivo para tal transformação? Qual a fórmula? Quais os ingredientes? Existe um porquê de algumas pessoas se eternizarem em nossas vidas? 
Existe algum critério no amor?












Foto: Minha perspectiva do céu - a beleza está em todos os planos...